Como é feita a reconstrução mamária

      A reconstrução mamária é um tipo de cirurgia plástica que normalmente é feita em mulheres que tiveram de realizar a mastectomia, que corresponde à remoção da mama, normalmente devido ao câncer de mama. A reconstrução da mama é um procedimento cirúrgico que tem como objetivo dar uma nova mama às mulheres mastectomizadas, levando em consideração o tamanho, forma e aparência das mamas, de modo a melhorar a auto-estima, autoconfiança e qualidade de vida da mulher que geralmente se encontra prejudicada após a remoção da mama.

 

 

     O principal objetivo desta cirurgia é devolver o peito à mulher ou, então, deixar os seios simétricos e com tamanhos semelhantes, caso só tenha sido removida uma mama, por exemplo. Para isso, existem dois tipos principais de reconstrução mamária com:

 

 

     Implante, que consiste em colocar um implante de silicone debaixo da pele, simulando a forma natural da mama;

 

 

     Retalho abdominal em que é retirada pele e gordura da região abdominal para usar na região das mamas e reconstruir os seios. Em alguns casos, também podem ser usados retalhos das pernas ou costas, se não existir o suficiente na barriga, por exemplo.

 

 

     O tipo de reconstrução deve ser discutido com o médico e varia de acordo com os objetivos da mulher, o tipo de mastectomia realizada e os tratamentos para câncer que foram feitos.

 

 

     Em muitos casos, caso não tenha sido possível preservar os mamilos durante a mastectomia, a mulher pode optar por tentar reconstruí-los 2 ou 3 meses após a reconstrução da mama ou deixar apenas o volume da mama, com a pele lisa e sem mamilos. Isto acontece porque a reconstrução dos mamilos é um processo muito complexo que deve ser feito por um cirurgião com muita experiência.

 

 

Quando fazer a reconstrução

 

     Idealmente, a reconstrução mamária deve ser feita juntamente com a mastectomia, para que a mulher não tenha de passar por um período de adaptação psicológica à sua nova imagem. Porém, existem casos em que a mulher precisa fazer radiação para completar o tratamento do câncer e, nesses casos, a radiação pode atrasar a cicatrização, sendo recomendado atrasar também a reconstrução.

 

 

     Além disso, quando o câncer é muito extenso e é preciso remover uma grande quantidade de mama e pele durante a mastectomia, o corpo precisa de mais tempo para se recuperar, sendo também aconselhado atrasar a reconstrução.

 

 

     No entanto, enquanto a cirurgia de reconstrução não pode ser feita, a mulher pode optar por outras técnicas, como o uso de sutiãs com enchimento, para melhor sua auto-estima e ter mais segurança consigo mesma.

 

Cuidados após a reconstrução mamária

 

      Após a reconstrução, normalmente são colocados gases e fitas nas incisões cirúrgicas, além de ser recomendada a utilização de uma bandagem elástica ou sutiã para diminuir o inchaço e sustentar a mama reconstruída. Pode ser necessário também o uso de um dreno, que deve ser colocado sob a pele, para remover qualquer excesso de sangue ou fluido que pode interferir no processo de cicatrização e favorecer a ocorrência de infecções.

 

 

     O médico também pode recomendar o uso de alguns medicamentos para diminuir o risco de infecções, além de medidas relacionadas com a higienização do local e acompanhamento médico regular. A recuperação após a reconstrução mamária pode demorar várias semanas, sendo percebida, de forma progressiva, a diminuição do inchaço e melhora na forma da mama.

 

 

     A nova mama não tem a mesma sensibilidade que a anterior e também é comum que fiquem cicatrizes relacionadas ao procedimento. No entanto, existem algumas opções que podem ajudar a disfarças as cicatrizes, como massagem com óleos ou cremes hidratantes ou procedimentos estéticos, que devem ser feitos sob orientação do dermatologista.

Unimed
Sul América
GEAP